Calamari Union (1985, Aki Kaurismäki)

Um grupo de classe média baixa do subúrbio planeja uma audaciosa expedição para a região nobre da cidade. Todos os membros do grupo têm algo em comum: Todos se chamam Frank. Este foi o primeiro filme do diretor que assisti e foi o que mais me marcou. Não considero o melhor, mas sem dúvida alguma o mais inusitado. Uma viagem sem limites e sem rumo algum na procura de encontrar o paraíso sobre a terra, ou melhor, sobre a Finlândia. Como todo grupo eles também entram em desavenças de idéias. Cada um procura uma solução que ache mais conveniente o que faz o grupo se separar ainda mais. Esse amontoado de Frank’s procura planos para alcançar a região alta da cidade.

Kaurismäki cria uma sátira genial sobre as diferenças de classe em que os personagens acreditam que se aproximar da riqueza irá satisfazer seus desejos e pra isso tentarão por todos os meios atingir seus objetivos. Com fotografia em preto-e-branco a cidade, que já possui aspecto fúnebre e triste, se acentua. Os personagens passam a se sentirem perseguidos e cada um vai sendo eliminado das formas mais bizarras possíveis. A sociedade neste filme parece querer eliminar o tempo inteiro os planos do grupo. A comédia dramática assume proporções trágicas para cada Frank. Ao mesmo tempo em que a angústia persiste o riso consiste perante as trapalhadas dos personagens.

O fato é que Calamari Union se converte como uma das mais geniais comédias dos anos oitenta, onde os personagens persistem num objetivo sem nem mesmo planejá-lo.

Nuno Balducci

Junho de 2010

Um grupo de classe média baixa do subúrbio planeja uma audaciosa expedição para a região nobre da cidade. Todos os membros do grupo têm algo em comum: Todos se chamam Frank. Este foi o primeiro filme do diretor que assisti e foi o que mais me marcou. Não considero o melhor, mas sem dúvida alguma o mais inusitado. Uma viagem sem limites e sem rumo algum na procura de encontrar o paraíso sobre a terra, ou melhor, sobre a Finlândia. Como todo grupo eles também entram em desavenças de idéias. Cada um procura uma solução que ache mais conveniente o que faz o grupo se separar ainda mais. Esse amontoado de Frank’s procura planos para alcançar a região alta da cidade.

Kaurismäki cria uma sátira genial sobre as diferenças de classe em que os personagens acreditam que se aproximar da riqueza irá satisfazer seus desejos e pra isso tentarão por todos os meios atingir seus objetivos. Com fotografia em preto-e-branco a cidade, que já possui aspecto fúnebre e triste, se acentua. Os personagens passam a se sentirem perseguidos e cada um vai sendo eliminado das formas mais bizarras possíveis. A sociedade neste filme parece querer eliminar o tempo inteiro os planos do grupo. A comédia dramática assume proporções trágicas para cada Frank. Ao mesmo tempo em que a angústia persiste o riso consiste perante as trapalhadas dos personagens.

O fato é que Calamari Union se converte como uma das mais geniais comédias dos anos oitenta, onde os personagens persistem num objetivo sem nem mesmo planejá-lo.


ISSN 2238-5290