2013, Recortes

2014 bate à porta enquanto rememoramos os cacos dos filmes que inflaram a sangue nossos olhos, veias e corações em 2013. Montar uma lista de preferidos é sempre um jogo perverso, é assumir um flerte abertamente abissal com uma responsabilidade em relação àquilo que, ao ser escolhido, é posto em quadro – o imediato de nossos gostos, de nossos gestos, o desnudar máximo dos traços político-sentimentais de uma certa relação com o cinema, com os nomes que acreditamos que o cinema sequestra para que ele possa continuar a ser. Fazer uma lista de “nossos filmes do ano” é mais ou menos como fazer parte da criação mágica de uma mise en scène qualquer, o que nos coloca frente a algumas questões primordiais: como lidar com aquilo que ficou no extracampo? Como as imagens, os cortes e os sons que deixamos de fora se relacionam com estes que estão aqui, presentes? Onde se dá esse encontro secreto entre o que tornamos visível e o que preferimos destinar às sombras? Às vezes, é com o que não está em nossas escolhas palpáveis que devemos travar os mais violentos diálogos, para podermos aprender a nos descobrir, a nos desvendar no ventre da dúvida, na clareza cegante da certeza. Gesto brutal e rigoroso, este, movido em 2013 por um gritante sexto sentido consciente, insistindo em nos ensinar que uma escolha, seja ela qual for, determina uma importante célula da biografia que fazemos de nós mesmos, dentro de mais um ano em que vivemos nesse tempo e nesse espaço, nas frestas estreitas nascidas através dos filmes, pequenos locais a partir de onde podemos pensar em meio à paz e à euforia das paixões. Autobiografia, portanto. Retrato ou reflexo que esculpimos com as ideias e as mãos dos outros, com o mundo segundo estes mesmos outros. Mundos que, pouco a pouco, filme a filme, nos ajudam a construir um olhar sobre os vestígios do que vêm a ser a origem, própria e íntima, dos nossos. Aos leitores, um bom 2014.

Ranieri Brandão

Dezembro de 2013

Fernando Mendonça

1. Educação Sentimental, de Júlio Bressane

2. The Canyons, de Paul Schrader

3. A Garota de Lugar Nenhum, de Jean-Claude Brisseau

4. Bnsf, de James Benning

5. Autrement, La Molussie, de Nicolas Rey

6. A Última Vez que Vi Macau, de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata

7. O Gebo e A Sombra, de Manoel de Oliveira

8. Antes da Meia-Noite, de Richard Linklater

9. O Passado, de Asghar Farhadi

10. A Vingança de Uma Mulher, de Rita Azevedo Gomes

11. A Loucura de Almayer, de Chantal Akerman

12. Bastardos, de Claire Denis

13. Um Alguém Apaixonado, de Abbas Kiarostami

14. A Filha de Ninguém, de Hong Sang-soo

15. Star Trek: Além da Escuridão, de J. J. Abrams

> 2013, A Ruína, O Recomeço (artigo)

Edson Costa Jr.

(sem ordem de preferência)

- The Three Disasters, de Jean-Luc Godard

- A Garota de Lugar Nenhum, de Jean-Claude Brisseau

- Educação Sentimental, de Júlio Bressane

- Out-takes From a Life of a Happy Man, de Jonas Mekas

- Leviathan, de Lucien Castaing-Taylor e Véréna Paravel

- Vocês Ainda Não Viram Nada, de Alain Resnais

- Bastardos, de Claire Denis

- O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho

- Blind Detective, de Johnnie To

- A Filha de Ninguém, de Hong Sang-soo

Diego Hoefel

1. Um Estranho no Lago, de Alain Guiraudie

2. O Ato de Matar, de Joshua Oppenheimer

3. Leviathan, de Lucien Castaing-Taylor e Verena Paravel

4. A Imigrante, de James Gray

5. Bastardos, de Claire Denis

6. Azul é a Cor mais Quente, de Abdellatif Kechiche

7. A Filha de Ninguém, de Hong Sang-soo

8. Spring Breakers, de Harmony Korine

9. Tatuagem, de Hilton Lacerda

10. Morro dos Prazeres, de Maria Augusta Ramos

Rodrigo Almeida

1. Spring Breakers, de Harmony Korine

2. The Canyons, de Paul Schrader

3. Doce Amianto, de Guto Parente e Uirá dos Reis

4. Leviathan, de Verena Paravel e Lucien Castaing-Taylor

5. O Ato de Matar, de Joshua Oppenheimer

6. Gravidade, de Alfonso Cuarón

7. Era uma Vez Na Anatólia, de Nuri Bilge Ceylan

8. Deixe a Luz Acesa, de Ira Sachs

9. O Mestre, de Paul Thomas Anderson

Ricardo Lessa Filho

1. Passion, de Brian De Palma / Drug War, de Johnnie To

2. A Garota de Lugar Nenhum, Jean Claude Brisseau

3. O Gebo e a Sombra, de Manoel de Oliveira

4. O Voo, de Robert Zemeckis

5. Saudade, de Jean CLaude Rousseau / Redemption, de Miguel Gomes

6. The Canyons, de Paul Schrader

7. O Passado, de Asghar Farhadi

8. Crazy Horse, de Frederick Wiseman

9. O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho

10. É o Amor, de João Canijo

Menções honrosas:

- Travelling Light, de Gina Telaroli

- A Filha de Ninguém, de Hong Sang-soo

- Amor Pleno, de Terrence Malick

- O Grande Mestre, de Wong Kar-wai

- The Epic Split (aka o filmete da Volvo com Jean Claude Van Damme), de Andreas Nilsson

- Mwany, de Nivaldo Vasconcelos

- Rua das Árvores, de Alice Jardim

- No Interior de Minha Mãe, de Lucas Sá


ISSN 2238-5290